Pelo Corredor da Escola

Apontar temáticas do cotidiano escolar é o objetivo primeiro deste blog, na intenção de ser "elo" entre as partes envolvidas (aluno/professor). A reflexão é o nome deste elo, que não só une, mas debate e critica os principais livros do Brasil e do mundo.

Para maiores informações falar com o Prof. Israel Lima

israellima7.4@bol.com.br

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Capes Cria Mais Quatro Áreas do Conhecimento




Biodiversidade, Ciências Ambientais, Ensino e Nutrição agora terão coordenadores e avaliações específicas


A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) criou nesta quarta-feira quatro novas áreas de conhecimento: Biodiversidade, Ciências Ambientais, Ensino e Nutrição. Uma portaria assinada pelo presidente da Capes, Jorge Almeida Guimarães, foi publicada no Diário Oficial desta quarta-feira instituindo as áreas. Até então, os cursos de especialização em Biodiversidade, Ciências Ambientais, Ensino e Nutrição ficavam na área interdisciplinar. Agora, essas novas áreas terão coordenadores específicos, passaram por processos de avaliação e terão metas. Segundo a Capes, a medida visa desenvolver os cursos dessas áreas.

(Portal IG Educação, 08/06/2011 - Clipping 09.06.2011- iG São Paulo)

Analfabetismo

O título do presente artigo cabe muito bem na atual situação de surrealismo reinante no Ministério da Educação. O Brasil é farto em estatísticas de violência, indicadores socioeconômicos, mas carente de bons resultados de políticas públicas. No setor privado, o Brasil tem ido bem, como provam os indicadores econômicos internacionais. Os empresários têm respondido positivamente aos estímulos e oportunidades que o mercado global lhes oferece. Entretanto, eles convivem com verdadeiras barreiras decorrentes da incompetência de gestores públicos e da perpetuação do anacronismo no país, em particular, advindos da existência longeva e persistente do mais formidável cipoal de leis inúteis e obsoletas, que remetem nosso país ao substrato dos países mais atrasados do mundo. No quesito da educação, é público e notório que o Brasil se mantém na berlinda dos indicadores de qualidade, enquanto o governo federal vem prestando um desserviço permanente à nação. A começar pela inauguração apressada e eleitoreira de pedras fundamentais de campi universitários e institutos improvisados, visivelmente desalinhados em relação às balizas de qualidade estabelecidas pelos países mais avançados, enquanto não respondem às principais demandas nacionais. Da combinação de inércia com inoperância e incompetência resulta situação permanente de deficiência e atraso. Um sintoma agravante recente é o fato de o baixo clero do MEC ter recebido o aval do ministro Haddad (ministro-cota imposto pelo ex-presidente Lula) para publicar uma cartilha, que, na prática, oficializada a barbárie linguística. É uma obviedade o fato de a linguagem escrita e falada ser essencial para a cultura de uma sociedade. A má linguagem degenera a comunicação, degrada a qualidade da escrita e compromete todas as atividades afetas à formação do cidadão, seja ela de natureza técnico-científica ou humanística. Nossos filhos e netos, por consequência desses descalabros, irão pagar caro, num futuro em que será exigida cada vez mais qualificação na formação educacional.


(Diário Catarinense, 09/06/2011 - Florianópolis SC - Sergio Colle - Clipping 09.06.2011)

Você Merece Seu Salário?

A maior parte dos estudantes de pós-graduação são bolsistas de agências de financiamento como a Fapesp, Faperj, CNPq e Capes, entre outras. Assim como empresas não podem ter infinitos funcionários, essas agências não podem ter infinitos bolsistas. E a seleção tem de ser feita por alguém que entenda de ciência, de como ela evolui e do que é importante para as diferentes áreas de estudo. Os cientistas se orgulham de uma coisa importante: você sempre será julgado pelos seus pares. E isso, por toda sua vida científica. Sempre serão outros cientistas que decidirão se você merece uma bolsa, dinheiro para um projeto ou se merece ser contratado. Na maioria das vezes você nem saberá quem estará te julgando. Mandará a documentação necessária e alguém te dará uma nota ou te aprovará (ou não). Em casos específicos, como os concursos, funciona de maneira diferente. Você estará na frente dos juízes e lado a lado com seus concorrentes. Em alguns casos você receberá uma nota e será isso que decidirá (ex: bolsa de iniciação científica), em outras você será julgado por comparação (ex: bolsas de mestrado da Fapesp). E depois que você conseguir a bolsa ou o dinheiro para o projeto, você ganhará um chefe (sim, além do seu orientador). Durante a vigência da bolsa ou do projeto, deverá mandar relatórios para mostrar o trabalho que fez e seu assessor julgará se você trabalhou o suficiente para merecer o que te pagam mensalmente. Ele te acompanhará desde o projeto até o relatório final, e se você der sorte será alguém que te dá sugestões, ajuda com idéias e a redigir uma boa dissertação. Se der azar, pode ser alguém extremamente exigente que te obrigará a trabalhar durante horas a fio para que ele fique satisfeito e diga que você merece a bolsa. E, por último, a única espécie de assessor que não gosto: o indiferente. Esse te aprovará ou te reprovará sem ao menos se justificar, te deixando num nimbo completo. Ao fazer isso, ele vai de encontro ao principal ponto da ciência: ser colaborativo. Afinal, ele e você são igualmente cientistas e não existem motivos para não nos ajudarmos. Bruno Queliconi é doutorando no Instituto de Química da USP.

(O Estado de São Paulo, 09/06/2011 - São Paulo SP - Clipping 09.06.2011)

Plenário Aprova MP que Autoriza Contratação Temporária de Professores

O Plenário aprovou nesta quarta-feira, em votação simbólica, a Medida Provisória 525/11, que autoriza a contratação temporária de professores para atuar em instituições federais de ensino e em projetos de educação técnica e tecnológica. O texto aprovado, que segue para o Senado, permite que as contratações sejam feitas pelo período máximo de um ano, sendo admitida a prorrogação por igual período. O relator, deputado Jorge Boeira (PT-SC), recomendou a aprovação sem alterações da matéria enviada pelo Executivo. Ele argumentou que a medida servirá para suprir a demanda total de docentes verificada na implementação do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni) enquanto os concursos para o preenchimento das vagas vão sendo realizados. "As autorizações de concurso ocorrem gradativamente. Contudo, a efetiva realização desses concursos, tendo em vista as exigências que caracterizam o processo de recrutamento e seleção de docentes, leva a atrasos no ingresso desses servidores", observou o deputado, justificando a necessidade de dar agilidade na contratação de professores para os novos cursos que estão sendo implementados pelo Reuni. A oposição, no entanto, criticou a falta de planejamento do governo e, sobretudo, a contratação de docentes sem a realização de concurso público. "Houve tempo suficiente para que o governo tomasse as medidas necessárias para a realização do concurso público como deve acontecer para o provimento dos cargos de docentes, de professores nas nossas instituições federais de ensino", afirmou o líder do PSDB, deputado Duarte Nogueira (SP). "Lamentamos principalmente por aqueles que poderiam, por meio de concurso público, integrar o quadro de novas universidades", completou. De acordo com o governo, a demanda total de docentes para o REUNI foi estimada em 15.755 professores de 3º grau, com base na razão média de 1 docente para cada 20 alunos. "Quando o quadro de docentes para a expansão pretendida estiver completo, terão sido criados 1.461 novos cursos presenciais, permitindo 109 mil novas vagas na graduação", disse Boeira. Professor substituto - A MP, que altera a lei que trata das contratações para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público (Lei 8.745/93), também cria a possibilidade de contratação temporária de professor substituto para ocupar as vagas resultantes de licenças e de afastamentos e de nomeações de docentes para ocupar cargo de direção de reitor, vice-reitor, pró-reitor e diretor de campus. Antes, essa contratação só era possível em caso de exoneração ou demissão, falecimento, aposentadoria, afastamento para capacitação e afastamento ou licença de concessão obrigatória. O texto ainda eleva de 10% para 20% o limite máximo para a contratação de professores substitutos, abrangendo os afastamentos para capacitação e todas as situações de substituição previstas. O tempo de contratação é, no entanto, limitado ao tempo necessário ao provimento do cargo efetivo de docente, também limitado a um ano, prorrogável por mais um ano. O Reuni foi criado como forma de ampliar o acesso e a permanência de estudantes na educação superior pública. As metas do programa foram estabelecidas a partir de objetivos gerais e de ações estratégicas apresentados pelas próprias instituições federais de ensino superior, entre as quais: aumento de vagas de ingresso, especialmente no período noturno, redução das taxas de evasão e ocupação de vagas ociosas.

(Clipping 09.06.2011 - UOL Notícias, 09/06/2011- Murilo Souza da Agência Câmara)
Template Rounders modificado por ::Blogger'SPhera::
| 2008 |