Pelo Corredor da Escola

Apontar temáticas do cotidiano escolar é o objetivo primeiro deste blog, na intenção de ser "elo" entre as partes envolvidas (aluno/professor). A reflexão é o nome deste elo, que não só une, mas debate e critica os principais livros do Brasil e do mundo.

Para maiores informações falar com o Prof. Israel Lima

israellima7.4@bol.com.br

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Quem Quer ser professor?

Recentemente, o Diário Catarinense publicou, na edição de 7 de fevereiro, a inquietante pergunta em matéria de capa: Quem quer ser um professor? A reportagem evidenciava a falta de condições das escolas, os baixos salários dos docentes e o ingresso cada vez mais raro de jovens nos cursos de licenciaturas e no exercício da docência na educação básica. O que o DC mostrou é um impulso para que continuemos na luta por uma carreira mais digna e por políticas públicas que coloquem o professor como protagonista no fazer educacional. Vale salientar que não vai adiantar currículos reformulados e escolas reconstruídas se não valorizarmos, com a dignidade que merece, o sujeito que escolhe a docência como carreira e trabalho. A interação com o conhecimento e a socialização criativa aos alunos só pode ser feita com qualidade, pelo docente feliz no que faz. Nossa inquietação porém, reside na pergunta de capa do DC, e registramos, então, algumas possibilidades de diálogo. Quer ser professor aquele que, da educação infantil à pós-graduação, fica feliz com uma pergunta da criança, jovem e adulto em processo de aprendizagem. Quer ser professor aquele que prepara uma aula com carinho, seleciona estratégias com intencionalidade e reconhece que todo ser humano é capaz de aprender. Quer ser professor aquele que compreende que nenhum saber é completo e definitivo e faz parte da docência o exercício da curiosidade, sempre com compromisso e humildade. Quer ser professor aquele que gosta de gente, do barulho das crianças brincando, do renovar-se com os jovens e adultos. Temos a plena convicção que muitos querem “ser professor”, o que não querem é que a docência seja um anexo ou bico, e sim opção de vida e de exercício profissional num mundo ainda com tanto para se fazer.


(Diário Catarinense, 10/02/2011 - Florianópolis SC - Lourival José Martins Filho ­- Clipping 10.02.2011)

3 Comentários:

S.O.S. Educação Pública disse...

Acrescento ainda, que quer ser professor quem acredita que é possível, via educação, construir um mundo mais justo e digno.

De nada adianta a sociedade reclamar da violência, da corrupção,da criminalidade e da devastação ambiental sem valorizar a educação, pois a solução para todos esses problemas começa dentro da sala de aula.

Sem o professor não há saúde, prosperidade, ética, democracia ou desenvolvimento.

Será muito alto o preço que o país vai pagar pelo descaso com que está tratando a educação e os professores. Se não houver mudanças urgentes o nosso futuro não será nada promissor.

cidda disse...

Ótimo texto!
Assino embaixo.
Abraços,
Cida.

Elizabeth disse...

Nossa professor! Que texto perfeito, completo. Diz tudo que nós professores pensamos e sentimos.
Encontrei seu blog por acaso e me deparei com esse texto maravilhoso Parabéns e que Deus continue a iluminá-lo

Postar um comentário

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO, POIS É MUITO IMPORTANTE PARA NÓS.

Template Rounders modificado por ::Blogger'SPhera::
| 2008 |